SM

PSICOSES

 

O nosso cérebro é responsável por atribuir significado às coisas e dar sentido ao que vemos e ouvimos. Quando o cérebro adoece e já não executa bem essas funções a pessoa perde o contacto com a realidade; a isso chama-se psicose.

 

A pessoa em psicose pode acreditar em algo com toda a certeza, mesmo que para os outros essa ideia seja irracional e haja provas de que é falsa (delírio); também pode ouvir, ver ou sentir coisas que não estão presentes (alucinação).

 

A psicose não é, em si mesma, uma doença. Existem várias doenças que atingem o cérebro e prejudicam as suas funções (como doença bipolar, esquizofrenia, depressão major, demência, uso de drogas, etc), podendo provocar psicose, mas também outros sintomas, como alterações das emoções ou desorganização do pensamento.

 

A psicose depende não só de haver vulnerabilidade do cérebro (por exemplo por causas genéticas ou problemas na formação do cérebro), mas também pelas situações desafiantes que o cérebro vai enfrentando ao longo da vida (por exemplo, infecções e outras doença, medicação ou drogas e mudanças na vida).

 

O tratamento da psicose e a duração desse tratamento dependem da doença que está presente. Contudo, em qualquer caso de psicose, uma parte do tratamento será com medicamentos chamados antipsicóticos, que são muito eficazes.

 

Em alguns casos a psicose faz parte de uma doença crónica que não conseguimos curar. Noutros não é possível encontrar a causa da psicose, pelo que não se consegue prever a probabilidade de nova psicose surgir. Para prevenir novos estados de psicose, quer num caso quer noutro, está recomendado que se mantenha a medicação por períodos prolongados, mesmo se já não tiver os sintomas iniciais.

 

Se tiver dificuldades com a medicação é importante falar com um médico Existem várias estratégias que podem ajudar a cumprir o tratamento, como usar o alarme do telemóvel para lembrar as tomas da medicação, uma caixa de medicação, pedir ajuda a outra pessoa ou, em alguns casos, substituir os comprimidos por injecções mensais.

ANSIEDADE PERTURBAÇÃO BIPOLAR P. OBSESSIVO-COMPULSIVA DEPRESSÃO ESQUIZOFRENIA PSICOSES SUICÍDIO E AUTOAGRESSÃO PERTURBAÇÃO ÁLCOOL DISFUNÇÃO SEXUAL PERTURBAÇÃO DE JOGO PHDA P. PERSONALIDADE